Que recursos podem ajudar no tratamento de vício?

O tempo de jogo, a quantidade de dinheiro investido e as tentativas frustradas de desistir das apostas são alguns dos fatores para o diagnóstico do transtorno do jogo compulsivo.

Discernir uso, abuso e dependência, segundo a psicóloga, é uma tarefa difícil. Por isso, ela aconselha que tanto jogadores quanto amigos e familiares fiquem atentos aos sinais de alerta e sejam compreensivos com quem sofre com o transtorno. “A família acaba sentindo o mal associado ao comportamento e, muitas vezes, fica com raiva”, diz ela.

No Brasil, grupos de jogadores anônimos são mais comuns. O tratamento com profissionais, como no PRO-Amjo, consiste principalmente em psicoterapia. “A pessoa aprende quais são os gatilhos que a fazem jogar, aprende a criar disciplina […] e a lidar melhor com suas próprias emoções.”

“Embora pareça difícil, se você fizer o tratamento, o jogador se recupera. Ele fica bem e percebe muitas coisas que não percebia antes, vale a pena investir e buscar ajuda”, finaliza Maria.

Mais informações sobre o transtorno do jogo, tratamento, apoio aos familiares e orientações aos profissionais de saúde estão disponíveis no site www.viraojogo.org.br/portal/.

Antes de falar em jogos de azar e contravenção penal é importante ter em mente que existem organizações que ajudam pessoas que são viciadas ou então estão ainda se viciando nessa modalidade.

Geralmente intituladas de Jogadores Anônimos, esses grupos reúnem indivíduos que precisam de auxílio para lidar com seus vícios. Existem também clínicas terapêuticas, as quais oferecem apoio para jogadores compulsivos e permite que eles tenham ajuda por parte de quem entende como lidar com esse problema. Além disso, internacionalmente também existem organizações que ajudam, caso o indivíduo fale inglês, como a GamCare, por exemplo. Para participar dessas empresas de azar no jogo você pode acessar o site oficial delas e preencher o formulário para contato. Além disso, no caso das instituições brasileiras, é possível entrar no portal online e ver o telefone de contato. Ao final, basta ligar para receber informações relacionadas ao tema do vício em jogos de sorte.

Apesar de existir, o jogo responsável por si só não é capaz de prevenir que algumas pessoas acabem se viciando em jogos de azar. Por isso, diversas organizações se reuniram para ajudar pessoas que são viciadas nessa modalidade e precisam de ajuda para sair da situação que se encontram.

Uma das campanhas mais famosas do mundo em relação aos jogos de azar permitidos no Brasil pela internet é o When the Fun Stops – STOP, ou seja, Quando e Felicidade Acabe – PARE. Criada pela BeGambleAware.org, uma organização do Reino Unido, a ideia da campanha promocional é ajudar as pessoas a controlarem seus gastos nessa modalidade.

Entre os postulados apresentados pela campanha estão:

Especificamente no Brasil instituições como a Associação Nacional por uma Economia de Comunhão (Anpecom) e a Associação Cultural e de Cidadania (Civitas) atuaram juntas em busca de uma campanha nacional para alertar brasileiros sobre os jogos de azar e como eles são perigosos.

Onde encontrar ajuda no Brasil offline:

Auto-ajuda para problemas de jogo

O maior passo para superar o vício do jogo é perceber que você tem um problema. É preciso muita força e coragem para admitir isso, especialmente se você perdeu muito dinheiro e relacionamentos tensos ou rompidos ao longo do caminho. Não se desespere e não tente ir sozinho. Muitos outros estiveram no seu lugar e conseguiram quebrar o hábito e reconstruir suas vidas. Você também pode.

#StandWithUkraine

#StandWithUkraine - Estamos com o povo da Ucrânia. A Rússia não está “apenas” atacando o povo ucraniano. Esta é uma guerra contra os valores democráticos, os direitos humanos e a paz. Podemos impactar e ajudar com nossas doações.

Opção de donação 1 Opção de donação 2